quarta-feira, 29 de julho de 2009

Bem ou mal? Ambos.

Bem, eu tinha um texto pronto para postar no blog hoje, mas alguns acontecimentos me fizeram mudar de idéia. É algo que eu repito todas as vezes que meus amigos me pedem conselhos sobre relacionamento, alguns deles até estão cansados de ouvir, mas eu não desisto.
Durante os meus quase 16 anos de vida (21 de setembro tá aí, ok?), eu usei uma regra básica em meus relacionamentos, quando digo relacionamentos quero dizer tudo mesmo, amigos, colegas, ficantes, rolos e namorados. É uma promessa, que eu fiz para mim mesma, assim que comecei a perceber o quanto as pessoas magoam umas as outras, insistentemente, em todas essas relações. É simples: prometi que as pessoas só permaneceriam na minha vida, enquanto estiverem me fazendo mais bem, do que mal.
Não estou dizendo que se alguém me aborrecer ou me irritar, eu vá sumir e nunca mais falar com a tal pessoa, até porque não é muito fácil me aborrecer ou me irritar, né? Enfim, o que eu quero dizer é que todas as vezes em que eu estiver aborrecida ou irritada, eu não vou só me concentrar naquilo, claro que eu vou ficar muito muito muito aborrecida ou irritada, como é de costume, mas vou lembrar também das coisas boas ligadas a tal pessoa, e se essas coisas forem suficientemente boas, as coisas ruins simplismente vão desaparecer.
Claro que também acontece o contrário. As vezes alguém me faz muito bem, mas em alguns momentos me faz mal como nenhum outro, e isso é suficiente para que as coisas boas sejam incapazes de superar. Não, eu não fico anotando quando alguém me faz bem, ou mal, não mesmo, é subconsciente. É como se em algum momento eu pensasse "Chega", e automaticamente eu acabo me afastando.
As vezes, eu demoro um pouco a perceber que essa pessoa está me fazendo mal, talvez por gostar muito dele ou dela, ou porque eu simplismente não consigo enxergar. As vezes preciso fechar os olhos antes de dormir, e pensar nos prós e nos contras, u know? Pensar em mim e no que eu acredito. É aquela velha história de que o pior cego é aquele que não quer ver. E eu quero, quero fechar meus olhos e continuar enxergando.

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Esses dias eu estava falando com o Luiz "sabe, eu odeio quem me manda aqueles depoimentos dizendo 'Eu te amo INCONDICIONALMENTE'... Dá uma raiva ver que frizam tanto a palavra 'incondicionalmente' como se tivessem certeza daquilo que estão dizendo. Mas não tem. NUNCA TEM. Ninguém sabe o quanto é RUIM e DOLOROSO amar alguém incondicionalmente." Amar alguém incodicionalmente é justamente continuar enxergando o mal em quem você ama. Lutar contra aquilo que se ama é uma batalha dolorosa em que se morre aos poucos, ao mesmo tempo que se mata ao outro. Não queira amar ninguém incondicionalmente Isa, embora nessas coisas não se escolhe o "querer", mas vá embora sim, sempre, enquanto estiver a tempo. Gostei do texto, adicionei o link do seu blog lá no meu :) beijos

    ResponderExcluir
  3. Lá vou eu tentar comentar de novo...Hunfes
    Vou focar só em um ponto do texto, que é esse aqui: "prometi que as pessoas só permaneceriam na minha vida, enquanto estiverem me fazendo mais bem, do que mal."
    É um lema de vida invejável...diria sensacional...mas como você mesma acaba se rendendo no decorrer do texto, às vezes não notamos que alguém está fazendo mais mal do que bem a nós...pior ainda: tem vezes que até notamos, mas como é difícil quebrar aquilo que é mais viciante do que droga ou chocolate - a Rotina.
    Mas acho que é isso...como diz Marcelo D2, 'o tempo passa mas a evolução é lenta...'
    Vamos aprendendo com a vida e nunca saberemos tudo...
    bjãoo

    ResponderExcluir